Twitter icon




Para explicar o paradigma da velha energia iremos usar um exemplo de desenvolvimento de crianças.

Quando crianças crescem e tornam-se auto-conscientes emerge a consciência de ego. A criança torna-se cada vez mais como se fosse uma ilha. As coisas as vezes saem do controle por que as crianças ou adolescentes estão entrando em modo de proteção ou modo de sobrevivência. As vezes tornam-se exigentes, querem isso e aquilo. A este ponto não há consciência de algo mais além daquilo que desejam.

Não é o ponto em qual precisa da sabedoria como se apresentar propriamente a fim de conquistar um emprego, por exemplo. É uma fase quando os pais têm que lidar com coisas muito mais básicas. Eles tentam mostrar aos seus filhos que há coisas ao redor que são maiores que eles mesmo. E para um adolescente pode seguir ao próximo passo em seu desenvolvimento precisa de consciência maior. Os pais têm que tirar os filhos fora de modo de sobrevivência.

Por toda a história humana a consciência coletiva apresentava o padrão imaturo mostrado na metáfora acima, o padrão de sobrevivência. Para que possamos seguir em frente como humanidade precisamos passar além da singularidade de sobrevivência que gera:

  • medo
  • desequilíbrio
  • isolacionismo
  • visão única

Quem possui consciência de sobrevivência procura por iguais e se associa ou forma grupos que têm medo daquilo que existe além deles. A consciência de sobrevivência apresenta espirito de conquista. Precisa conquistar tudo, precisa ganhar do outro, precisa escalar a montanha. A consciência de sobrevivência precisa de vitória ou de realização para estar no lugar onde gostaria de estar. Isso é isolacionismo.

Os Lemurianos tinham um diferente padrão de dimensionalidade que nos hoje em dia. A eficiência de DNA dos Lemurianos há 50.000 anos começou em 50%. Isso é satisfatório. Nos em século XX no ocidente não passamos a marca de 31%. E isso permite apenas pura sobrevivência. Que mais elevada a percentagem de DNA funcionando, mais envolvida está a consciência. A natureza humana é variável e não estática como foi ensinado a nos. A eficiência muda com civilizações quais decidem por si a elevar ou abaixar o nível de funcionamento do DNA. A funcionalidade avançada abre a porta para extensão da dimensionalidade.

Desde da sua criação a humanidade tinha o livre arbítrio sobre a qual direção gostaria de prosseguir: à alta ou a baixa consciência. A humanidade decidiu caminhar na baixa consciência. Aquilo que chamamos de velha energia é a energia de consciência humana que geramos em modo de sobrevivência por milhares de anos desde inicio da quinta civilização há 9.000 anos no vale Hindu e nas quatro civilizações anteriores.

A energia velha é caraterizada pela básica necessidade de sobrevivência a qualquer custo. Tudo que leva a sobrevivência de um individuo, grupo ou nação é legítimo. A energia velha é básica apenas e culminava frequentemente em opressão dos outros, desequilíbrio entre os gêneros, conflitos por recursos naturais, intolerância religiosa, escravidão, separações e divisões, racismo, conflitos, guerras e até genocídios. Não há compaixão, cooperação ou elegância nesse modo. Uma civilização tem que deixar essas atitudes para trás a fim de poder seguir. Não há coexistência ou crescimento harmonioso dentro da consciência de sobrevivência assim que os povos e nações tornam-se uma vez global.

A velha energia levou a nossa civilização a beira de aniquilação no seculo XX. Era quando os dois superpoderes possuíam armas de destruição em massa apontadas um para outro. Houve apenas um frágil equilíbrio de forças que se baseava na ameaça de destruição mutua e isso era tudo que manteve os dois poderes de apertar o botão primeiro.

Varias profecias apontavam ao ano 2000 em qual haveria um evento chamado de Armagedom, fim do mundo, holocausto nuclear, juízo final, III guerra mundial etc. A humanidade mostrava todos os sinais de imaturidade, sinais de consciência de sobrevivencia. Em ano 1987 o rumo do mundo porém mudou. Logo depois em 1991 houve o colapso da União Soviética que desarmou o confronto em potencial entre as superpotencias. A consciência coletiva do povo Russo não pude mais sustentar a enorme disfuncionalidade do proprio regime.

Um problema emergente no Israel em ano 1999 iria desencadear eventos que levariam as superpotências ao confronto profetizado para o ano 2000. Isso era o potencial real na linha velha de eventos antes de 1987. Tudo mundo nascido antes dessa data sabia em espirito de alma, antes de encarnar que haveria grande potencial de que a III guerra acontecer. Mas não aconteceu. A marca astronômica de 2012 que era o alinhamento da Terra com o centro galático (um evento que acontece a cada 26.000 anos) passou sem eventos de grandes destruições. A humanidade passou o marcador e isso significa que a consciência humana mostra padrões mais elevados e permite o próximo passo. A civilização Maia previu que a consciência humana iria elevar os seus padrões próximo do ano 2012 caso contrário a humanidade não sobreviveria a data. A profecia de que os tempos chegariam ao fim era verdadeira - os tempos da velha energia chegaram ao fim.

Desde 2012 estamos na sexta civilização que ira desenvolver nas próximas décadas e seculos uma consciência muito diferente. Os padrões são de cooperação, compaixão, tolerância e de responsabilidade. Eis a época da nova energia.